Fachin e Barroso defendem urnas eletrônicas e liberdade de imprensa nas eleições

Os ministros Edson Fachin e Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), voltaram a defender a Justiça Eleitoral e o sistema eletrônico de votação, ao receberem um prêmio em nome do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) na noite desta quarta-feira, 22, no Rio de Janeiro. Presidente do TSE, Fachin afirmou que os “cerca de 150 milhões de eleitores” dirão, nas eleições gerais de 2 de outubro, que “a democracia no Brasil é inegociável”. Barroso ressaltou que o sistema das urnas eletrônicas é “seguro, transparente e auditável”.

Fachin começou o discurso alertando que ele e os demais ministros presentes estavam representando os 22 mil servidores da Justiça Eleitoral, que atuam no TSE e nos 2 tribunais regionais.

O atual presidente do TSE afirmou que a Justiça Eleitoral está preparada para transpor de forma segura e transparente as eleições de outubro deste ano e disse que o TSE não “tombará de suas funções”.

Ele ressaltou ainda o papel da imprensa na defesa da liberdade de expressão: “A erosão da imprensa livre é a erosão da própria democracia.”

E afirmou: “O prêmio em si faz a diferença esta noite para que todos nós façamos a diferença para que este País não tenha outra noite e mais duas décadas de escuridão.”

Ex-presidente do TSE, Barroso ressaltou o trabalho de servidores e juízes da Justiça Eleitoral na condução do processo eleitoral.

O ministro criticou os ataques sofridos pelos colegas de tribunal e às urnas eletrônicas e disse que “é preciso atravessar esses tempos obscuros sem se deixar contaminar”.

“É vão o esforço de deslealmente querer criar desconfianças infundadas (sobre as urnas eletrônicas). Enfrentamos a mentira e a desinformação sem jamais ceder a tentação de responder insultos com insultos”, afirmou Barroso, que defendeu o sistema eletrônico de votação e a liberdade de imprensa: “A liberdade de expressão não se confunde com a imoralidade da difamação. A mentira não é o outro lado da história, é apenas uma mentira.”

E acrescentou: “Nosso sistema de votação é seguro, transparente e auditável. É nosso papel resistir a onda populista e autoritária que assola o mundo. É preciso atravessar esses tempos obscuros sem se deixar contaminar.”

IstoÉ

Atenção: os artigos deste portal não são de nossa autoria e responsabilidade.
Nós não produzimos e nem escrevemos esse artigo qual você esta lendo.

Entenda: nosso site utiliza uma tecnologia de indexação, assim como o 'Google News', incorporando de forma automática as notícias de Jacobina e Região.
Nossa proposta é preservar a história de Jacobina através da preservação dos artigos/relatos/histórias produzidas na internet. Também utilizamos a nossa plataforma para combater a desinformação nas redes (FakeNews).

Confira a postagem original deste artigo em: https://noticialimpa.com.br

Em conformidade com às disposições da Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (Lei nº 13.709/2018) e às demais normas vigentes aplicáveis, respeitando os princípios legais, nosso site não armazena dados pessoais, somente utilizamos cookies para fornecer uma melhor experiência de navegação.