Homem passa por cirurgia para retirar garrafa do ânus no Acre

Na entrada de uma unidade de saúde, uma pessoa com dores pode ser apenas mais uma precisando de atendimento. Mas na cidade de Brasiléia, a 230 quilômetros de Rio Branco, uma em específico demandou maior atenção: um paciente deu entrada no Hospital Regional do Alto Acre se queixando de dores com uma garrafa introduzida no ânus no último domingo, dia 19. Medicado, ele precisou ser transferido e, após retirada do objeto, passa bem.

O Governo do Acre, em nota, afirmou que o paciente chegou à unidade de saúde “reclamando de dores, com um objeto na região anal”, e que, por conta da complexidade, ele foi medicado e, na segunda-feira, transferido para o Pronto Socorro de Rio Branco, a mais de três horas de carro de Brasiléia.

O item que causou desconforto, identificado como uma garrafa, foi retirado na unidade de saúde da capital. O paciente, que não teve nome e idade revelados, passa bem. Também não foram informados detalhes sobre o material do objeto.

Ainda de acordo com o Governo estadual, o quadro não foi um acontecimento isolado. “Outros casos semelhantes já foram atendidos nas unidades do Acre”, concluiu a nota.

Imagens do raio-x do paciente com o haltere preso dentro do corpo

Relembre outro caso

Em abril deste ano, também na região Norte do país, um homem de 54 anos introduziu um “peso” de academia (haltere) de dois quilos no ânus e chegou à unidade de saúde com náuseas, vômitos e se queixando de dores abdominais. O caso foi parar na plataforma científica International Journal of Surgery Case Reports (Revista Internacional de Relatos de Casos de Cirurgia, em português), em que foi detalhado o “relato de acidente com inserção de objeto via reto”.

Último Segundo

Atenção: os artigos deste portal não são de nossa autoria e responsabilidade.
Nós não produzimos e nem escrevemos esse artigo qual você esta lendo.

Entenda: nosso site utiliza uma tecnologia de indexação, assim como o 'Google News', incorporando de forma automática as notícias de Jacobina e Região.
Nossa proposta é preservar a história de Jacobina através da preservação dos artigos/relatos/histórias produzidas na internet. Também utilizamos a nossa plataforma para combater a desinformação nas redes (FakeNews).

Confira a postagem original deste artigo em: https://noticialimpa.com.br

Em conformidade com às disposições da Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (Lei nº 13.709/2018) e às demais normas vigentes aplicáveis, respeitando os princípios legais, nosso site não armazena dados pessoais, somente utilizamos cookies para fornecer uma melhor experiência de navegação.