Boeing 737 Max sai de circulação de novo, ainda sem previsão de retorno

A Boeing enviou um alerta internacional sobre possível problema elétrico em seu modelo 737 Max. A possível falha fez com que aviões de 16 empresas de todo o mundo tivessem a circulação suspensa desde 6ª feira (9.abr.2021). Não há previsão de quando as aeronaves poderão voltar a voar.

No Brasil, segundo a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), apenas 1 avião pode apresentar a possível falha. A agência informa que a aeronave pertence à Gol Linhas Aéreas e já foi retirada da rotação de viagens. A Anac diz também que está acompanhando o processo de manutenção anunciado pela Boeing.

O retorno da aeronave às operações só ocorrerá após todas as ações corretivas serem aplicadas e validadas“, diz a Anac, em nota. A agência regulatória norte-americana, a FAA (em português, Administração Federal de Aviação dos EUA), também está acompanhando o caso e as manutenções.

Nos Estados Unidos, 4 empresas vão inspecionar seus aviões. Segundo o jornal The Wall Street Journal, 67 aeronaves não poderão fazer viagens no país. No mundo, o número chega a aproximadamente 100 unidades.

A Boeing detectou o problema ao montar um avião do mesmo modelo. Segundo a empresa, é preciso verificar se uma parte do sistema elétrico tem espaço para um mecanismo de segurança, o aterramento. Se não houver o espaço, o sistema elétrico do avião pode ficar sobrecarregado e sofrer panes.

A empresa afirmou que está acompanhando a questão e já informou a todos os seus clientes sobre a possível falha. Em nota, a Boeing diz que colabora com a agência reguladora norte-americana. “Também estamos informando especificamente nossos clientes impactados e forneceremos orientações sobre quais as medidas corretivas adequadas“.

O Boeing 737 Max

Esse não é o 1º problema do modelo 737 Max da Boeing. Em 2018 e 2019, a aeronave protagonizou 2 acidentes, na Indonésia e na Etiópia. No total, 346 pessoas morreram. O motivo seria uma falha que fazia com que os pilotos não conseguissem controlar o avião.

Depois disso, a produção foi paralisada e todas as unidades do modelo ficaram 1 ano e 8 meses sem voar. O avião voltou a ser utilizado em todo o mundo em dezembro de 2020.

Durante os 20 meses parado, o 737 Max passou pelo escrutínio minucioso da Boeing e da FAA. Foram mais de 400 mil horas de trabalho de engenharia e cerca de 3.000 horas de voo. As agências reguladores da Europa, do Canadá e do Brasil também auxiliaram no processo.

O problema seria em um software que regulava o ângulo do avião. Esse software era acionado no momento errado e prejudicava o controle geral da aeronave. A empresa e as agências reguladoras afirmam que não há nenhuma relação entre a possível falha do sistema elétrico identificada agora e os problemas de controle de voo.

A retomada dos voos incluíram a volta da produção. Atualmente, existem mais de 800 aeronaves do modelo, segundo a Boeing. Pouco mais de metade delas ainda não foi entregue à empresas. O restante integra frotas em todo o mundo.

Eis o que foi preciso mudar no modelo desde os acidentes de 2018 e 2019: