Redução de 50% do salário é aposta das empresas para manutenção de emprego

Os efeitos da crise provocada pela pandemia do novo coronavírus são cada vez mais sentidos no bolso pelos brasileiros. É o que revela um levantamento feito pela Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas), que analisou negociações trabalhistas nos meses de março e abril a partir de dados encaminhados pelas empresas ao Ministério da Economia. Foram registradas 354 cláusulas de redução de salários em 255 acordos e convenções coletivas acertadas por empresas e sindicatos patronais com sindicatos de trabalhadores.

A redução de salário em 50% foi a mais comum entre as cláusulas que tiveram o objetivo de corte na folha de pagamento: esteve presente em 126 acordos ou convenções. Em média, cada acordo ou convenção contou com quatro cláusulas trabalhistas. Os dados fazem parte da edição de abril do Projeto Salariômetro da Fipe, coordenada pelo economista e professor Hélio Zylberstajn.
 
Foi a decisão tomada pela empresária Claudia Lino, sócia da agência de viagens Gate Tour, em São Paulo, que faz atendimento a empresas e ao turismo de lazer. Diante do número elevado de cancelamentos e pedidos de remarcação, ela reduziu salários e jornada da equipe – são 12 funcionários – em 50%.

Neste mês, o segmento corporativo manteve apenas 10% da demanda normal. E o turismo de lazer não teve pedidos. Claudia diz que vai fazer o possível para não demitir porque conta com uma equipe qualificada que será necessária quando os negócios voltarem.
 
Segundo Zylberstajn, é um pensamento corroborado pelos resultados do estudo. “As empresas negociam mais de um mecanismo em cada negociação. São quatro mecanismos em média. Com isso, as empresas vão conseguir passar pelos próximos três a quatro meses mantendo seu capital humano”, diz o professor sênior da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP (FEA-USP).
 
É o caso também da empresária Adriana Auriemo, sócia da Nutty Bavarian no Brasil. A rede especializada em castanhas doces teve que fechar seus 130 pontos de venda, localizados em centros com grande circulação de pessoas, como shoppings centers. A empresa, que tem sua estrutura administrativa e conta com 10 pontos de venda próprios, antecipou férias para a maioria dos funcionários em março. 
 
Neste momento, a empresa avalia qual a próxima medida, uma vez que não há qualquer previsão de reabertura dos shoppings e de retomada das vendas. 
 
Os setores com maior número de acordos e convenções são, não por acaso, aqueles mais afetados pelas medidas de contenção, como as restrições para a circulação de pessoas. O setor de bares, restaurantes e hotéis e agências de turismo registrou 56 acordos ou convenções, seguido pelo ramo de transporte e comunicações (55) e o de comércio (33), que inclui o varejo e o atacado. 
 
Acordos coletivos são aqueles acertados entre empresas e sindicatos de trabalhadores; convenções são mais abrangentes, negociadas entre sindicatos patronais e de trabalhadores.
 
Quem também aderiu aos instrumentos trabalhistas para preservar os funcionários foi o Cabana Burger. A rede de hamburguerias com oito unidades em São Paulo tem cerca de 360 funcionários, dos quais pouco mais de 300 no atendimento aos clientes. 
 
Apesar de já operar com delivery antes da crise e do aumento de mais de 200% nas entregas com o fechamento dos restaurantes, o faturamento total caiu 50%. “Estudamos os cenários para avaliar como fazer para manter o nosso quadro de colaboradores, porque a crise vai passar”, diz Paulo Assarito, CEO do Cabana Burger. A saída escolhida para evitar demissões foi aderir à medida que permite a redução de jornada e do salário de funcionários.
 
Funcionários que trabalham no atendimento, como garçons, tiveram redução de 70% nos salários: a empresa paga 30%, e o governo para a diferença para os trabalhadores. E os funcionários ficam em casa. Para os demais empregados, incluindo os cargos de diretoria, a redução foi de 25% nos salários e na jornada.

Bruno Oliveira e Marcelo Sakate da CNN, em São Paulo