Coordenadora da CIEVS alerta sobre transmissão comunitária das variantes SARS-CoV-2 da linhagem de Manaus, e VOC do Reino Unido, no Estado; Santaluz tem registro

Circulou nesta quinta-feira, 04, um comunicado de alerta da Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (SESAB) juntamente com a A Superintendência de Vigilância em Saúde (SUVISA) e o Centro de Informações Estratégicas em vigilância em saúde – CIEVS que na última quarta-feira, dia 03, o Laboratório de Vírus Respiratórios e Sarampo do Instituto Oswaldo Cruz (lOC/Fiocruz) e o Laboratório Central de Saúde Pública da Bahia (LACEN) notificaram a identificação, através de sequenciamento, de mais casos da variante SARS-CoV-2 P.1 da linhagem B.1.1.28, de Manaus, e da variante SARS-CoV-2 VOC 202012/01 da linhagem B.1.1.7, do Reino Unido, em amostras provenientes do Estado da Bahia.

Segundo Talita Moreira Urpia coordenadora do CIEVS-BA, estas variantes são consideradas preocupantes por causa das mutações que apresentam, estando relacionadas a um aumento de transmissibilidade, maior gravidade dos quadros e risco de óbito.

“Após investigações, concluímos que o Estado da Bahia possui transmissão comunitária para as duas variantes, já que não houve possibilidade de rastrear a origem da infecção em todos os casos, indicando que o vírus circula entre as pessoas, independente de terem viajado ou não para o exterior. Até 03 de margo de 2021, foram confirmados 17 casos da variante P.1 de Manaus, no Estado da Bahia. Os casos estão relacionados com os municípios de Salvador, Amargosa, Itabuna, Santaluz, Irecê, João Dourado e Lauro de Freitas. Ressaltamos que 10 casos (58,8%) necessitaram de hospitalizações e 3 (17,6%), evoluíram para óbito. Em relação a VOC B.1.1.7 do Reino Unido, até (ontem) dia 03 de março, foram notificados 09 casos, sendo 06 confirmados e 03, permanecem em analise. Estes casos estão relacionados com os municípios de Salvador, Feira de Santana, llhéus, Itapetinga e Lauro de Freitas. Nenhum dos casos confirmados necessitaram de hospitalizações e todos estão curados”, afirmou a coordenadora.

Talita aproveita para solicitar junto as unidades notificadoras a necessidade de fortalecer as atividades de controle da covid-19, estando atentas aos atendimentos dos casos suspeitos, realizando a notificação dos casos suspeitos e confirmados e o rastreamento dos contatos de todos os casos. “Ressaltamos a necessidade de orientação a população quanto as medidas de prevenção e controle como: isolamento domiciliar da pessoa que estiver com suspeita ou em período de transmissão da doença, lavagem frequente das mãos com água e sabão e/ou álcool em gel a 70%, alem do uso obrigatório de mascara e manter o distanciamento social”, finaliza a coordenadora.

Redação CN | Informações CIEVS/BA