Universidade pede que alunas evitem roupas curtas para não distrair professores e alunos

A Universidade Pontificia Boliviana, em Medellín, na Colômbia, gerou revolta nas redes sociais depois de criar uma lista de instruções contendo as roupas que devem ser evitadas pelas alunas. A instituição indica que as meninas devem usar roupas discretas, sem decotes ou saias curtas, com o objetivo de ” não distrair os professores e alunos”. 

“Sugerimos evitar: usar saias muito justas, ir vestido como se fosse para uma festa, usar sapatos de salto alto a não ser que tenha alguma apresentação ou entrevista e usar saias curtas, shorts e decotes muito profundos”, dizia a lista no site da universidade. “Trate de usar roupas discretas, não há nada mais incômodo que distrair a atenção de seus companheiros de classe e dos professores, por isso te sugerimos evitar usar decotes profundos, saias curtas ou roupas justas”, finalizava o texto. 

De acordo com o site do jornal Estadão, a instituição foi muito criticada nas redes sociais por causa das instruções, sendo acusada de demonstrar que as roupas das alunas são capazes de demonstrar que as roupas podem contribuir para o assédio sexual. Em protesto, as estudantes criaram a campanha #UPBEnFalda, que em tradução livre soa como “UPB de Saia”, movimento que encorajava todas as alunas a assistirem as aulas de saia na quinta-feira. 

Depois das reações, a universidade publicou uma resposta em suas redes sociais. “A Universidade Pontificia Bolivariana esclarece que a motivação do texto teve o objetivo de dar algumas recomendações gerais sobre a comodidade no ambiente universitário. A UPB não pretende condicionar algum código de vestimenta para seus alunos e isso é evidente na dinâmica da instituição. Pedimos desculpas se, em algum momento, o texto afetou a alguém pela interpretação que teve”, explicou em comunicado. O texto com as instruções foi apagado do site da universidade.