Depois de 80 anos sem ser vista, ave rara é encontrada em Minas Gerais

Após 80 anos sem ser visto, o pássaro conhecido como bicudo (Sporophilia Maximiliano) foi visto pela primeira vez em Minas Gerais. A ave é comum nos criatórios, mas essa espécie tem raros registros na natureza em todo o país. Considerada extinta em diversos estados, a espécie está criticamente ameaçada de extinção no Brasil

A ave foi vista por um morador na região do Leste mineiro, no dia 1º de fevereiro. José Paulo dos Santos, de 51 anos, foi o sortudo. Ele já havia auxiliado nas buscas pela espécie, em 2017, e já sabia da existência da ave na região, pois costumava ver o bicudo próximo a brejos e lagos em que costumava pescar. “Desde então, virou uma questão de honra encontrar o bicudo”, disse. 

Após a observação, uma equipe do Waita – Instituto de Pesquisa e Conservação, deslocou-se imediatamente para o local, onde foi realizado o registro de três indivíduos, um sozinho e um casal formando ninho.

Alice Lopes, bióloga do Waita, ficou maravilhada ao avistar o animal. “Após quatro anos de buscas da espécie em vida livre, é uma alegria enorme poder vê-los vivendo em ambiente natural. Renova nossas energias e esperanças de vê-lo repovoando o Estado. Esse registro possibilitará diversos estudos comportamentais sobre habitat, alimentação e reprodução, que são praticamente inexistentes e serão fundamentais para subsidiar um futuro programa de reintrodução”, disse.

O analista ambiental do Ibama em Minas, Daniel Vilela, também frisou a importância do registro após 80 anos. “O bicudo sempre foi uma espécie naturalmente rara e sofreu muito com a captura e criação clandestina devido ao seu belo canto e valor comercial. Poucas pessoas acreditavam que este reencontro em Minas Gerais fosse possível. Este novo registro alimenta a esperança de que os programas de proteção e conservação de fauna repovoem nosso estado com este importante pássaro.”