“A crise econômica pode matar mais que o Coronavírus”, diz presidente da CDL de Ipirá

Apesar da recomendação no mundo inteiro pra que as pessoas fiquem em em casa para evitar a propagação do Coronavírus até o momento sem vacina e que a única forma de evitar o contágio é o isolamento social e para isto os governos estaduais e municipais decretaram suspensão das aulas, fechamento do comércio, terminais rodoviários, aeroportos e etc, mas existem pessoas que não ignora a determinação, no entanto também se preocupa com as consequências na economia, pois, na medida que o comércio fecha e as pessoas deixam de trabalhar o consumo não para e o alimento acaba, principalmente nas classes mais pobres.

E uma das pessoas que manteve contato com o Calila Notícias disse que está preocupado com o Coronavírus, no entanto ele afirma que: “A crise econômica pode matar mais que o Coronavírus”, é o presidente da Câmara de Dirigentes Logistas de Ipirá, Adson Soares.

“Há pouco mais de uma semana começávamos a sentir o efeito de uma crise que até então não imaginávamos que chegaria até o Brasil, quiçá no interior da Bahia. Em Ipirá, cidade que fica a 250 km de Salvador, os reflexos da crise já pararam inclusive o comércio. Desde o último domingo (22) de acordo com o decreto Municipal 027/2020 apenas os comércios considerados essenciais podem funcionar”, revelou o presidente.

Adson Gomes

Segundo ele, a crise provocada pela pandemia Covid-19 gera reflexos em todas as classes sociais, em todas as etnias e em todo os setores da economia.

“A Paquetá Calçados, maior empregadora da cidade, decretou suspensão temporário de suas atividades, são cerca de mil e quinhentos empregos diretos que estão aguardando ansiosamente o desfecho dessa crise.” Ressalta Adson Soares que diz  temer é que a crise sanitária gere a maior recessão econômica dos últimos tempos.

O representante maior da classe logista disse que ainda é cedo para avaliar os efeitos devastadores provocados por essa pandemia, “mas tememos que muitos comércios venham a falência ou pedir concordata até agosto. Dos empregos formais gerados na cidade, vários serão extintos tanto por conta dos fechamentos das lojas quanto por conta da baixa no segmento proveniente dessa crise, afinal pessoas tendem a priorizar apenas itens de necessidade básica o que prejudica comércio de outros segmentos como móveis e eletrodomésticos, confecções e eletrônicos em geral.” Revela Soares.

O presidente da CDL disse ao CN também que Já há relatos de comerciantes que estão precisando de acompanhamento psicológico devido já estarem endividados ou acabaram de investir tudo para abrir seus negócios momentos antes da pandemia chegar ao Brasil.

Segundo Adson Soares, as medidas tomadas pelo presidente da República ainda não são o suficiente para suprir as necessidades do comércio.

“O comércio é muito complexo, não adianta só permitir que sejam suspensos os contratos de trabalho se as pessoas irão ficar sem renda. Se as pessoas estiverem dentro de casa sem renda, elas não vão comprar e isso gera um efeito dominó na economia já fragilizada. A roda não gira.” Reclama Adson.

De acordo com números da Fecomércio, o setor perderá cerca de 100 bilhões de reais durante essa crise que assola o país. E se nas grandes cidades o clima já não é confortável, em cidades menores como Ipirá o desespero já toma conta dos comerciantes.

“Estou recebendo vários testemunhos de comerciantes desesperados sem saber o que fazer para honrar sua folha salarial, seus empréstimos, seus investimentos, tudo isso é muito deprimente. Tento levar uma mensagem de esperança mas no fundo também já estou sentindo os efeitos dessa crise. Eu mesmo conto com pelo menos 10 famílias diretas ligadas à minha responsabilidade na frente de minha empresa, sinceramente não posso deixá-los desamparados num momento tão difícil, mas tenho receio de como o comércio vai se comportar nesses próximos 120 dias. Estou acompanhando de perto todas as notícias e medidas tomadas pelas autoridades para frear essa crise, mas diante do que estou vivendo no dia-a-dia do comércio de Ipirá, acredito que infelizmente essa situação tende a piorar ainda mais nas próximas semanas.” Lamenta o presidente da CDL.

Adson disse que ouve relatos de alguns comerciantes de queda significativa no volume médio de vendas e a partir dessa semana com o comércio fechado a queda tende a ser mais forte.

“A CDL-Ipirá vem a público pedir pelos nossos representantes que olhem com muita sensibilidade pro comércio. É dessa entidade tão importante que várias famílias tiram seus sustentos mensais e por isso que aceitei gravar essa entrevista, para que de alguma forma essa mensagem possa chegar ao governador da Bahia, que está dando uma lição no presidente da república de como cuidar do seu povo. Afinal não é só uma “gripezinha”, é uma pandemia que vai deixar aos que sobreviverem, milhões na miséria e sem seus empregos. Peço aos que lêem essa matéria que a façam chegar no governador Rui Costa, precisamos mais do que nunca da ajuda dele. Precisamos dar crédito aos comerciantes, precisamos isentá-los de impostos entre outras medidas nesse momento afim de continuarmos a tocar a vida mesmo com essa pandemia aterrorizando a nossa população.” Finaliza (em tom emocionado) o presidente.