Temporal causa 10 mortes na Baixada Santista

Dez pessoas morreram na madrugada desta terça-feira (3) na Baixada Santista por conta das chuvas que atingem a região. Segundo a Defesa Civil do Estado, são três mortes em São Vicente, seis em Guarujá, uma em Santos.

Duas pessoas continuam desaparecidas e cerca de 200 estão desabrigadas em Guarujá, onde o prefeito Valter Suman decretou estado de emergência. A região também registrou diferentes pontos de deslizamento de terra e alagamentos.

Veja onde ocorreram as mortes:

2 mortes na Rua Saturnino de Brito, no Parque Prainha, em São Vicente
1 morte na Rua Pêro Lopes de Souza, 66 – São Vicente
2 mortes na Rua Uruguai, no Jardim Centenário, em Guarujá
3 mortes no Morro do Macaco Molhado, em Guarujá
1 morte na Vila Baiana, em Guarujá
1 morte na Rua das Pedras, no bairro Caneleira, em Santos

O governador João Doria fez uma postagem nas redes sociais sobre as chuvas na Baixada Santista. “Minha solidariedade aos moradores da Baixada Santista que sofrem com as fortes chuvas desde ontem. Lamentavelmente, até o momento, há 9 mortos confirmados. Temos 1 herói do Corpo de Bombeiros entre as vítimas. A Defesa Civil, Bombeiros e PM estão dando suporte às prefeituras”.

Rio de Janeiro

As chuvas fortes que caem desde o início de fevereiro não afetam apenas o litoral de São Paulo, mas outras cidades da região sudeste do país.

Quatro pessoas morreram no Rio de Janeiro entre o último sábado e o domingo e cerca de cinco mil pessoas ficaram desalojadas em áreas atingidas por temporais.

Carros foram arrastados pela corrente que invadiu as ruas, alguns bairros ficaram sem energia e várias pessoas tiveram de ser desalojadas por receios de deslizamentos de terra.

A cidade de São Paulo também foi afetada por tempestades, que pioraram desde 10 de fevereiro e provocaram pelo menos três mortos nesta que é a maior cidade do Brasil.

Outras 60 pessoas morreram devido às fortes chuvas em Belo Horizonte, a terceira maior região metropolitana do país, e em outras cidades do estado de Minas Gerais.

O Ministério da Defesa Civil de Minas Gerais contabilizou, no início de fevereiro, 45.200 pessoas despejadas das suas casas devido a inundações e deslizamentos de terra.

Fontes: G1 | Agência Brasil