Grupo de WhatsApp une coiteense a maranhense que garantem viverem momentos de pura felicidade

As redes sociais na opinião de muita gente surgiu para a infelicidade de muitos casais, mas também podem ser avaliadas com bastante positivas, é o caso do magarefe coiteense Valdeck Nascimento dos Santos, 44 anos, viúvo, pais de 3 filhos, e Sônia Maria Pinheiro, 45, natural do município de São João Patos, Estado do Maranhão, separada depois de um casamento de 30 anos, mãe de cinco filhos e 8 netos.

Valdeck em Coité é conhecido por ‘Cabecinha’, ele estava acompanhando de Sônia no Estádio Vandão em Coité quando contou a história ao Calila Notícias. Segundo ele no ano passado (2018) entrou em um grupo de WhatsApp “Somos Amigos” e a fazer a primeira saudação começou a conversar com Sônia que começou a questioná-lo se era baiano, casado, ” e quando disse que era viúvo, ela disse que já recebeu muitas dessas cantadas. Ai eu mandei ela no próprio grupo perguntar a Malu, pessoa que considero como minha mãe de criação, e ela fez isso, mas teve a confirmação de tudo que eu falei era verdade”, afirmou Cabecinha.

A maranhense ao certificar que o ‘paquera’ virtual não estava faltando com a verdade resolveu então investir em mais uma relação. Através de mensagens de áudio Cabecinha e Sônia mantiveram o namoro virtual por 6 meses e criado a expectativa do primeiro encontro que aconteceu em setembro do mesmo ano que se conheceram e hoje celebram 14 meses juntos. Disse que chegavam a ficar 6 horas de duração falando ao telefone.

Cabecinha disse que teve que lidar com muitas criticas das pessoas que sabiam do seu relacionamento com até então uma desconhecida. No dia 9 de setembro fez um ano que ela chegou e nunca tivemos desentendimento, meus filhos o maior amor por ela.

Enquanto Valdeck falava, Sônia só escutava e ao ser questionada ela disse que tudo que ele falou é verdade. Ela disse que estava separada e certa que iria para São Paulo onde reside a filha mais nova, não via no momento a possibilidade de se envolver em novo relacionamento, “eu nunca gostei de pessoas separadas e que continuou morando na mesma cidade ou estado pra não ficar naquele atrito e eu vi nele o que muita gente não viu, a mesmas coisas que ele viveu aqui quando pessoas chamavam a atenção dele sobre a minha pessoa eu ouvia também. A coisa funciona assim, você tem medo e não vai, mas precisar perder o medo e arriscar porque você não sabe onde a felicidade está”, avalia Sônia que disse que antes de Cabecinha recebeu dezenas de cantadas.

Ela lamenta os filhos terem ficado revoltados com ela, “só um ficou ao meu lado”, disse.

Aproximadamente um mil quilômetros percorreu Sônia para se encontrar com Cabecinha.

Portanto, o primeiro contato aconteceu em 9 de setembro de 2018 na Rodoviária de Feira de Santana. Cabecinha se deslocou 100 km para sentir o calor de Sônia pela primeira vez que viajou 9 vezes mais. Eles têm até um vídeo do momento do demorado beijo.

O casal garante que durante todo este tempo jamais se desentenderam e mantêm sempre o diálogo antes de qualquer  discussão.