Análise de pesquisadores da UFBA aponta que óleo que atinge litoral do Nordeste é da Venezuela

Um estudo realizado pelo Instituto de Geociências da Universidade Federal da Bahia (UFBA) aponta que o petróleo que atinge o litoral do Nordeste é originário da Venezuela. A informação foi divulgada pela diretora da entidade, a pesquisadora Olivia Oliviera, durante coletiva de imprensa realizada nesta quinta-feira (10).

“Nossos estudos agroquímicos evidenciam que o óleo é proveniente de uma bacia da Venezuela. Foram diversas análises goequímicas, a partir da coleta dessas amostras. Esse trabalho realmente revelou que se trata de um petróleo produzido na Venezuela”, afirmou Olivia.

Olivia Oliveira, diretora do Instituto de Geociências da Universidade Federal da Bahia (UFBA) — Foto: Cid Vaz/TV Bahia

De acordo com a diretora do Instituto, o resultado foi encontrado após diversos testes comparativos com sete amostras coletadas em Sergipe e duas na Bahia.

“Nós temos diversos dados da literatura onde mostram perfis cromatográficos, resultados que nós produzimos no laboratório. Além disso, nós temos um banco de óleo de diversas partes do mundo, que também fazemos essa comparação. Através de análises como essas chegamos ao resultado”, disse.

Segundo a pesquisadora, os dados apontam também que a substância se assemelha com petróleo cru. Ainda não há informações, no entanto, de quanto tempo o resíduo está no mar, nem se é proveniente de um navio ou não.

Mancha de petróleo em Arembepe — Foto: Arquivo Pessoal

“Se parece muito com petróleo cru. Mas não deixamos a possibilidade de ser banker, combustível de navio. Seria um óleo mais pesado. Um óleo mais de resíduo. Mas ainda não temos a real certeza. O óleo apresentava uma certa degradação. Pode ser um óleo cru, como poderia ser um banker, onde a parte crua, onde a parte do diesel que é utilizada com esse banker foi evaporada”, completou a diretora.

Conforme a pesquisadora, todas as análises desenvolvidas na UFBA serão encaminhadas para Instituto do Meio-Ambiente e Recursos Hídricos (Inema).

Manchas na Bahia

Seis cidades baianas já foram atingidas pelas manchas de petróleo entre 3 de outubro, quando a substância chegou no estado, até a manhã desta quinta-feira (10). O último município atingido foi Camaçari, que já tem 3 praias contaminadas. No total, são 14 localidades afetadas no estado. São elas:

Guarajuba, Itacimirim e Arembepe (Camaçari)
Mangue seco e Coqueiro (Jandaíra)
Barra da Siribinha , Barra do Itariri , Sítio do Conde e Poças (Conde)
Baixio e Mamucabo (Esplanada)
Subaúma e Porto do Sauipe (Entre Rios)
Praia do Forte (Mata de São João)

Todos os municípios afetados ficam no litoral norte do estado. De acordo com a Marinha, Arembepe é a praia mais ao sul do estado atingida pelo petróleo até então.

Em Conde, a cerca de 185 km de Salvador, 18 toneladas de óleo foram retiradas da areia da praia de Sítio de Conde até a quarta-feira (9), segundo informações divulgadas pelo fiscal ambiental da cidade Ari da Silva Manaia.

Na praia de Poças, no município de Conde, a cerca de 150 km de Salvador, grandes placas de óleo se acumulam nas pedras e na areia. Segundo a prefeitura do município, são 40 quilômetros de praias atingidas pelas manchas. Pescadores dizem que os peixes da região estão contaminados.

Na praia de Siribinha, que também fica no município de Conde, as manchas de óleo são menores, mas estão espalhadas por quase toda a área. Barraqueiros que atuam na região afirmam que a poluição vem afastando os turistas das praias.

O Projeto Tamar informou que o óleo adere à pele e é de difícil remoção. A substância também pode causar irritação, em caso de contato com os olhos ou de inalação. A instituição também disse que o petróleo cru pode conter compostos considerados cancerígenos.

Para fugir das manchas do óleo, os especialistas do Projeto Tamar levaram 500 filhotes das praias de Conde e Jandaíra e soltaram na Praia do Forte, 100 quilômetros ao sul, onde a quantidade das manchas é bem menor.

Mais de 130 praias já foram afetadas pelo problema em todo o Nordeste. Há registro em todos os nove estados da região. A Bahia foi o último a ser atingido.

O Tamar suspendeu a soltura de filhotes de tartaruga nas regiões afetadas, para preservar os animais que são desovados na Bahia. Segundo o Projeto, os filhotes correm risco de morte se entrarem em contato com a substância.

Além das investigações do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama), Marinha do Brasil e outras instituições do Nordeste e do Brasil, pesquisadores da Universidade Federal da Bahia (UFBA) tentam descobrir a origem da mancha.

Fonte: G1