21 detentos do Conjunto Penal de Feira de Santana são beneficiados com a 1ª saída temporária do ano


Receberam o benefício da primeira saída temporária do ano, 21 detentos do Conjunto Penal de Feira de Santana. Eles saíram na segunda-feira (16) e devem retornar no próximo domingo (22). O capitão Allan Araújo, diretor da unidade prisional, informou ao Acorda Cidade que todos os detentos saíram com tornozeleiras eletrônicas e que o benefício da saída temporária é concedido a todos os presos do regime semiaberto e que apresentam bom comportamento.

Ele explica que a saída temporária é um direito assegurado pela lei aos presos que já estão praticamente no final do cumprimento da pena. É concedido pelo juiz, conforme os pré-requisitos disciplinares do interno.


“Faz parte de uma espécie de teste que o judiciário faz para saber se o interno está preparado ou não para retornar ao convívio social e nessa oportunidade foram 21 internos que saíram. Lembrando que desde o ano passado, desde dezembro de 2019 houve uma mudança na forma que nós fazemos a saída temporária aqui em Feira de Santana. É uma forma que ao nosso ver teve um excelente ganho para a sociedade. Os presos antes saíam todos de vez por concessão de portaria, e agora estão saindo de forma fracionada. O mais importante é que todos são monitorados com tornozeleira eletrônica, todos estão sob a observação do estado e isso é muito positivo”, afirmou ao Acorda Cidade.

O capitão frisou que os detentos que têm o benefício, podem sair da unidade prisional quatro vezes por ano.

“Essa é a primeira das oportunidades das quatro vezes que vão perdurar até o final de 2020. Nesse período eles precisam ficar nas suas residências. Devem ficar por sete dias e regressar ao presídio no domingo (22), retomando a rotina carcerária”, comentou.

O diretor do presídio explicou que o equipamento da tornozeleira eletrônica permite que seja feito o acompanhamento e monitoramento do preso. A verificação se ele está cumprindo todas as regras e caso ele cometa alguma infração ou descarte o equipamento na rua, será considerado foragido. Terá regressão no cumprimento da pena e voltará para o regime fechado.

O próximo ciclo da saída temporária deve acontecer em média daqui a dois ou três meses.

Fonte: Acorda Cidade