Construtor de trios elétricos: Aos 84 anos, Orlando Tapajós está em estado grave na UTI


O construtor de trios elétricos Orlando Tapajós, de 84 anos, está com estado de saúde considerado grave. De acordo com informações do Metro1, seu Orlando foi internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Tereza de Lisieux, em Salvador. Recentemente, ele virou notícia ao revelar que passava por dificuldades. "Não tenho nada, só essa aposentadoria de R$ 900 e pouco, minha única renda oficial. Só de remédios, pago quase R$ 500 por mês. A sorte é que meu filho paga o aluguel e as contas de água e luz”, disse ao Correio. Por conta disso, a Associação Baiana de Trios Independentes (ABTI) se comprometeu a dar uma pensão vitalícia de R$ 6 mil por mês. Seu Orlando virou ‘Tapajós’ no final da década de 1950, depois que uma banda de músicos contratada por ele para fazer um show em um trio elétrico não apareceu no evento. Naquele momento ele decidiu que construiria o próprio trio elétrico e recorreu ao amigo Dodô para aprender o ofício. Orlando foi quem montou pela primeira vez a estrutura que deu origem ao modelo atual do trio com a Caetanave, que saiu pela primeira vez em 1972 no carnaval de Salvador para homenagear Caetano Veloso que estava voltando do exílio em Londres durante a ditadura militar. Em 1994, ele fez o último de seus trios. Há dois anos, o circuito que funciona o Fuzuê e Furdunço – festejos que ocorrem antes do Carnaval, que liga o bairro de Ondina a Barra, recebeu o nome do veterano.
Com informações do Metrô 1